Pelo Twitter, Serra anuncia programa estadual de banda larga em SP

da Folha Online

O governador José Serra anunciou um programa de banda larga popular, cujo mote, nas palavras do próprio governador, é “acesso rápido e barato à internet”. O anúncio foi feito na noite de quarta-feira (14), e vem logo em seguida aos preparativos do governo federal quanto à criação de um serviço público de banda larga.

“Guardei esta pra contar primeiro aqui: assino hoje o decreto que cria o programa Banda Larga Popular –acesso rápido e barato à internet”, disse Serra, em seu perfil no Twitter.

O decreto vai ser assinado hoje por Serra, e tem a intenção de reduzir para zero da alíquota do ICMS referente à oferta de serviços de banda larga. “O modelo proposto permitirá o acesso da população, principalmente a de baixa renda, à internet rápida, facilitando a inclusão digital e a utilização de serviços”, informou a assessoria do governo, em nota.

“O usuário de SP vai pagar no máximo R$ 29,80 por mês. O governo abriu mão do ICMS. Nossa meta é conectar metade das residências paulistas”, informou o governador.

Não ficou claro, entretanto, se haverá subsídios à infraestrutura e à logística das redes banda larga. Regiões mais isoladas de São Paulo não têm acesso à cabeamento ou antenas de sinalização.

assinatura_blog

Anúncios

Google pede via mais veloz para seu conteúdo

googleO Google sugeriu a empresas provedoras de serviços de internet (ISPs) a criação de uma “passagem mais rápida” para seu conteúdo, de acordo com reportagem do Wall Street Journal.

Segundo o Plantão Info, uma das empresas de cabo mais importantes dos Estados Unidos afirmou que está relutante em relação ao acordo porque ele desrespeitaria as regras determinadas pela comissão Federal de Comunicações dos EUA (em inglês, FCC) para garantir a neutralidade da rede de internet.

De acordo com o jornal, a medida, chamada de OpenEdge, conectaria os servidores do Google às redes dos ISPs e aceleraria a recepção dos usuários de serviços da companhia de internet.

Quando questionado sobre a iniciativa, o Google declarou que outras empresas poderiam elaborar acordos semelhantes se quisessem.

Redação Adnews

:: LUCIANA COSTA ::

Linux – A Toda Prova

Por: Luciana Costa – Publicado no 40Graus – publicado em out/2006

Aviso: Proibida a cópia parcial ou integral deste artigo sem autorização prévia e oficial da autora.

e-mail: nlcosta@gmail.com

Para quem conhece, trabalha ou já trabalhou com Ambiente Unix, sabe que o Linux é na realidade, seu sucessor.

O Linux é um sistema operacional. Foi inicialmente desenvolvido com base no Unix (na realidade, um clone com muitas melhorias).

É desenvolvido pela comunidade Free Software Foundation (www.fsf.org), composta por um grupo de voluntários que pleiteiam pela melhoria e expansão do sistema operacional. É também, uma ferramenta completa: contem uma ampla variedade de recursos/ferramentas, aplicativos e comandos, voltados, inclusive, a administração e configuração dos mais diversos tipos de redes. Bacana, não?!

Para melhor entendimento: O Linux, em si, é simplesmente o Kernel.

‘Kernel = é o componente mais importante em um sistema operacional. É ele que estabelece e permite a comunicação com o hardware do seu computador.  Esta comunicação faz-se através de drivers dedicados de dispositivo.

Hoje, a maioria das lojas de revenda de microcomputadores, opta pela instalação do Linux, e muitos usuários estão se adequando a este sistema operacional, com tranqüilidade.

Seu uso atende não só as empresas, mas escritórios e uso doméstico. O Linux está indo além, está em constante evolução a fim de atender diversas necessidades, por exemplo: a área aeroespacial.

Sendo uma opção de sistema operacional, que não deixa de ser uma alternativa (concorrente) do Microsoft Windows, ele possui grandes parceiros e investidores, tais como: a HP (Hewlett-Packard), a Dell, a IBM, a Oracle, entre outras que investem bilhões (isto mesmo, bilhões).

Vantagens para utilizá-lo:

  • Fácil instalação
  • Fácil uso/manuseio
  • Suporte
  • Confiável
  • Seguro
  • Portabilidade
  • Flexível
  • Gratuito
  • Linux no desktop
  • Linux no servidor

Cada vez mais empresas e usuários estão se adequando ao Linux.

Simples Case: Após estudos e análises, em uma das empresas na qual trabalhei, optamos por implantar softwares livres, o Linux foi o primeiro deles, inclusive optamos também por alguns aplicativos back-office e front-office (envolvendo o parque de servidores e estações de trabalho).
Quanto ao sistema operacional: a escolha foi pelo Linux Red Hat. Motivo? Vários, dentre eles: confiabilidade e redução de custo.
Redução de Custo: a menina-dos-olhos dos gestores das áreas, principalmente da TI.

Conforme previsto no projeto inicial, após implantação, os dados tabulados apontaram uma economia significativa em aquisição, atualização e suporte. Liberando a verba para aplicá-las para outros fins, por exemplo: renovação do parque de máquinas e investimento em infra-estrutura, capacitação, entre outros.
Lembre-se que o suporte da Microsoft não é gratuito, onera custo, varia de contrato para contrato.

Quanto à adaptação junto aos usuários? Não houveram tumultos e nem problemas. Nada que uma boa cultura organizacional (comunicação com base em resultados) e um bom treinamento não resolvam.

Sugestão: Não custa nada experimentar!

Luciana Costa